Raíssa Kist, de 23 anos, Nicole Zagonel e Francieli Bittencourt, de 25, são alunas de engenharia química na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRS.

Pra começar o negócio elas usaram um financiamento coletivo no final de 2016 pelo site catarse, que superou a meta em 50% e conseguiu arrecadar 46 mil reais.

Este ano, o projeto se transformou em empresa, a marca Herself, de calcinhas menstruais, peças reutilizáveis que absorvem a menstruação.

A marca já tem como carro chefe dois modelos sustentáveis que possuem 3 camadas de tecidos antimicrobianos e impermeáveis.

Elas impedem o vazamento e a proliferação de bactérias  e são mais confortáveis que os absorventes convencionais.

Pesquisa

“Entramos em contato com algumas mulheres para entender incômodos e como elas vivem a menstruação no dia a dia, e percebemos que havia uma busca por novas soluções nessa área.

As mulheres não estavam satisfeitas com os absorventes, mas por comodismo e falta de opções, acabavam recorrendo a eles”, disse Raíssa.

A ideia surgiu enquanto as colegas participavam de um curso de capacitação sobre negócios socio-ambientais e decidiram estudar soluções sustentáveis para o mercado cosmético que reduzissem o uso de descartáveis.

Com a repercussão nas redes sociais sobre a experiência positiva da nutricionista e apresentadora Bela Gil -que passou a utilizar uma calcinha menstrual importada dos Estados Unidos – as meninas perceberam que havia um forte sinal para esse nicho no Brasil.

Além disso, nos questionários que elas fizeram com o público-alvo, muitas mulheres relataram dificuldade em utilizar os coletores menstruais – coletores de silicone de uso interno – outro método reutilizável que tem ganhado popularidade. As calcinhas viriam como uma alternativa para essas mulheres.

Outras marcas

Em outros países já existem algumas marcas fabricantes de calcinhas menstruais impermeáveis.

A marca Pantys chegou no país este ano e a Thinx, marca usada por Bela Gil, é vendida nos Estados Unidos.

Lançamento

Por enquanto, as três estudantes estão distribuindo as novas calcinhas como recompensa àquelas que contribuíram com o financiamento coletivo.

Em dezembro deste ano, a marca lançará um site para a venda das calcinhas para o público geral.

A  fabricação 100% brasileira é algo que as jovens pensaram em fazer desde o início do projeto, pela mão de obra e pela necessidade de adaptar o produto ao nosso clima.

“Compramos os produtos do exterior para conhecê-los, mas lá fora o corte das calcinhas é mais largo e tem a cintura mais baixa e o corpo, das estrangeiras, também é diferente.

Pelo clima tropical do Brasil, a calcinha tinha que ser mais fininha e leve”, explicou Raíssa.

Com informações da Veja

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por JEFERSON VIEIRA
Carregar mais por Brasil

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

NAS ONDAS DO RÁDIO: ‘Acontece São Carlos’ estreia nesta segunda-feira

Estreia segunda-feira (11), a partir das 17h45, na rádio São Carlos AM 1450, o jornal Acon…